O portal do Sistema Opinião

POP9

Crime

rn

Plano terrorista do PCC foi tramado no presídio de Mossoró

Investigação da PF sobre estratégia da facção revela que Fernandinho Beira-Mar e Vida Loka conversaram sobre terrorismo usado pelas Farc para ação que incluía sequestros e explosões

outubro 14, 2018 às 12:10 - Por: Redação OP9 com informações da Agência Estado

Conversa entre Fernandinho Beira-Mar e "Vida Loka" revelou plano terrorista do PCC. Foto: Reprodução/Youtube

Conversa de Fernandinho Beira-Mar com “Vida Loka” em Mossoró foi gravada pela PF. Foto: Reprodução/Youtube

Uma investigação da Polícia Federal mapeou e desarticulou dois planos da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) para realizar atentados terroristas no Brasil. As ações incluíam sequestros de autoridades e explosão de prédios públicos. Parte dos planos foi elaborada de dentro da penitenciária federal de Mossoró, que fica a 281 quilômetros de Natal, capital do Rio Grande do Norte.

O motivo seria o descontentamento com regras de presídios do sistema federal, que proíbem os presos de receber visitas íntimas e gravam conversas entre eles e os advogados.

De acordo com a investigação, parte das ações foi estruturada após um dos líderes da facção ficar detido na Penitenciária Federal de Mossoró (RN) juntamente com Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, liderança do Comando Vermelho.

A PF chegou a gravar as conversas entre Beira-Mar e Abel Pacheco de Andrade, o Vida Loka, líder do PCC, sobre os métodos utilizados no passado por terroristas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para atacar as autoridades que atuam no combate ao tráfico de drogas.

Leia também:
Membro do PCC foragido do massacre de Alcaçuz é preso
‘PCC é a maior organização criminosa da América do Sul’, diz promotor
Polícia deflagra operação contra PCC no RN e outros 13 estados
Ataques no RN e em Minas Gerais foram ordenados pelo PCC

Na conversa, Beira-Mar cita a necessidade de se valer de sequestro de autoridades em troca da liberdade de criminosos, explosão de torres de transmissão localizadas em áreas industriais e, também, sequestro de pessoas “importantes” para barganhar pela soltura de líderes “importantes”.

“A guerrilha foi, pegou umas autoridades, três ou quatro autoridades, aí falou: Ó, dou tantos dias pá. Dou tantos dias pá liberar; se não der, rápt! Rapaz, pegou o primeiro”, disse Beira-Mar a Abel Pacheco em uma das conversas.

As conversas, segundo a PF, ocorreram em junho de 2017, na Penitenciária Federal de Mossoró (RN), onde Vida Loka e Beira-Mar estavam detidos. Após ser transferido para Porto Velho (RO), Vida Loka teria repassado as informações para Roberto Soriano e Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, outras duas lideranças do PCC.

Em Porto velho, os investigadores encontraram, entre os bilhetes apreendidos na Penitenciária Federal da cidade, fragmentos que citam necessidade de ações violentas contra o sistema penitenciário do País durante o período das eleições.

O objetivo, segundo a PF, era “tentar convencer as autoridades a reverem os procedimentos de segurança das penitenciárias federais”, considerados pelo PCC como “opressores”. “Essas eleições para governador e presidente podem até contribuir ao nosso favor; (…) desse modo obrigá-los a considerar que o melhor caminho seja ceder à negociação, aceitar as reivindicações exigidas, isso mesmo tendo ciência e consciência que irão recuar provavelmente até o presidente”, dizia um dos bilhetes apreendidos.

Após conversa em Mossoró, Vida Loka levou plano à frente em Porto Velho (RO). Foto: Reprodução/PF

Após conversa em Mossoró, Vida Loka levou plano à frente em Porto Velho (RO). Foto: Reprodução/PF

Planos tinham como alvo o Depen de Brasília e agentes públicos

Os investigadores conseguiram detalhar e interromper o plano, após análise de bilhetes encontrados no esgoto das celas da penitenciária de Porto Velho. Essa troca de informações entre Soriano, Pacheco e Nunes resultou nos planos Pé de Borracha e Morada do Sol.

O primeiro teria como objetivo explodir um carro-bomba no estacionamento da sede do Depen em Brasília. Segundo o plano interrompido, além dos explosivos, o carro teria um envelope com as exigências da facção, entre elas visita social de cinco horas, visita íntima semanal, banho de sol de duas horas, tratamento digno e televisão e rádio em todas celas.

“Amigos, deixamos claro, independentemente de liberar a íntima (visita), ao nosso ver o projeto deve ser colocado mesmo assim em prática, pois o propósito será quebrar todas as principais opressões conforme explicado no salve anterior”, diz um dos bilhetes enviados por Pacheco a companheiros e apreendido pela PF no esgoto do presídio de Porto Velho.

A Morada do Sol, por sua vez, era para sequestrar, torturar e assassinar agentes públicos e pressionar o governo federal e o Supremo Tribunal Federal (STF) a liberar as chamadas visitas íntimas nos presídios federais. As visitas estão suspensas desde julho de 2017.

“As investigações identificaram que a facção criminosa já havia realizado o levantamento da rotina e da atividade de diversos servidores públicos fora do ambiente de trabalho para serem sequestrados e/ou assassinados em seus momentos de folga”, disse a PF, por meio de nota.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: