O portal do Sistema Opinião

POP9

Investigação

rn

Caso Suetânia: suspeito de queimar vítima é preso dois anos após crime

Ex-companheiro da motorista de aplicativo foi capturado nesta sexta (23). Ela foi encontrada carbonizada junto com carro. Família esperou um ano para enterrá-la

agosto 23, 2019 às 16:42 - Por: Redação OP9

Família esperou um ano para enterrar Suetânia e dois para ver o principal suspeito preso. Foto: Cedida

Família esperou um ano para enterrar Suetânia e dois para ver o principal suspeito preso. Foto: Cedida

O principal suspeito pela morte de Suetânia Santos do Nascimento, de 29 anos, foi preso na manhã desta sexta-feira (23). O corpo da vítima foi encontrado carbonizado dentro de seu carro, que também foi queimado na cidade de Arez, Grande Natal, no dia 15 de agosto de 2017. Ela trabalhava como motorista de aplicativo.

Jucenildo Belarmino Tomé, 38, foi capturado em Arez dois anos após o crime, alvo de um mandado de prisão. De acordo com o delegado Wellington Guedes, responsável pelo caso, uma série de evidências apontam para o suspeito como autor do assassinato.

Leia também:
Caso Suetânia: após mais de um ano família consegue enterrar vítima
A segunda morte de Suetânia: um ano à espera de sepultamento

Ainda segundo o representante da Polícia Civil, os dois tiveram uma relacionamento amoroso por cerca de 10 anos e ele não teria aceitado o fim do convívio. Jucenildo negou participação na morte de Suetânia em interrogatório.

“Após diversas diligências investigativas, nós conseguimos produzir material probatório que nos deu subsídio para representar a prisão do investigado. Durante depoimento ele se contradisse e claramente mentiu diante das provas”, detalhou o delegado Wellington Guedes.

De acordo com a polícia, Jucenildo Belarmino havia marcado um encontro com a vítima no dia em que ela desapareceu.

As mortes de Suetânia
Corpo de Suetânia Santos foi encontrado carbonizado dentro do seu carro, em Arez há mais de um ano. Foto: Arquivo Família/Cedida

Corpo de Suetânia Santos foi encontrado carbonizado dentro do seu carro, em Arez. Foto: Arquivo Família/Cedida

A família da motorista de aplicativo encontrada morta dentro de um carro carbonizado precisou esperar um ano e um mês para fazer o sepultamento de Suetânia Santos do Nascimento.

Após muita espera e angústia de familiares, o corpo da mulher foi enterrado em 20 setembro de 2018. O advogado da família, Wagner Miranda, afirmou que precisou entrar com uma ação contra o governo do estado.

Moradora do bairro Emaús, em Parnamirim, na Grande Natal, Suetânia desapareceu no dia 11 de agosto de 2017. O carro dela foi localizado quatro dias depois totalmente queimado. O veículo foi identificado apenas pelo número do chassi.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: