O portal do Sistema Opinião

POP9

Decisão

pe

STF manda soltar Lula Cabral, prefeito da cidade do Cabo

Político foi preso em outubro do ano passado após operação da Polícia Federal que investigou fraudes no fundo de previdência do município

Janeiro 12, 2019 às 17:49 - Por: Redação OP9

Prefeito Lula Cabral é suspeito de ter envolvimento no desvio da verba. Foto: TV Clube/Reprodução

Prefeito Lula Cabral é suspeito de ter envolvimento no desvio da verba. Foto: TV Clube/Reprodução

O prefeito licenciado do Cabo de Santo Agostinho, Lula Cabral (PSB), preso desde outubro do ano passado, pode deixar o Centro de Observação Criminológica e Triagem (Cotel) nos próximos dias. Isso porque o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Tofolli, de plantão neste sábado (12), determinou a soltura de Lula Cabral. O pedido de liberdade do político foi protocolado no STF no dia 21 de dezembro.

Leia também:
Preso no Cotel, Lula Cabral é denunciado por corrupção passiva
Lula Cabral, prefeito do Cabo, é preso pela Polícia Federal

Na decisão, Tofolli ressalta que “assim, sem prejuízo de reexame posterior por parte da eminente Relatora, defiro a liminar para determinar ao juízo processante que substitua a prisão preventiva do paciente pelas medidas cautelares diversas, que julgar pertinentes. Comuniquem-se, com urgência, solicitando informações. Findo o recesso, remetam-se aos autos à ilustre Ministra Relatora (Cármen Lúcia) para a sua competente reapreciação.”

Lula Cabral foi preso pela Polícia Federal (PF) na Operação Abismo que desarticulou um esquema fraudulento que transferiu mais de R$ 90 milhões do instituto de previdência dos servidores do município, na Região Metropolitana do Recife, para fundos de investimento de segurança duvidosa.
Cabral foi apontado como responsável pelo desvio. Também foram investigados empresários, lobistas, advogados, políticos e religiosos.

Em dezembro, Lula Cabral foi denunciado formalmente à Justiça por desviar cerca de R$ 93 milhões da Previdência Social do município, o Caboprev. No inquérito que acusa o socialista e outras dez pessoas de corrupção passiva, o Ministério Público Federal (MPF) na 5ª região narra que os sócios e representantes da Terra Nova Gestão de Recursos (empresa gestora de fundos de investimento) montaram um esquema de aliciamento para transferir os valores do órgão para fundos de investimento sem credibilidade.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: