O portal do Sistema Opinião

POP9

Derby

pe

Estudante de odontologia é presa em flagrante por atuação ilegal

Graduanda de universidade na Região Metropolitana do Recife realizava procedimentos de alta complexidade em clínica no Derby sem a devida habilitação

novembro 5, 2019 às 17:21 - Por: Redação OP9

Uma estudante de odontologia de uma universidade particular na Região Metropolitana do Recife foi autuada em flagrante nesta terça-feira por exercício ilegal da profissão. A universitária de 23 anos foi flagrada durante de uma fiscalização do Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco (CRO-PE) motivada pelo recebimento de denúncias anônimas. De acordo com as informações recebidas pelo órgão, a suspeita realizava  procedimentos de alta complexidade em um consultório no bairro do Derby, área central do Recife.

A equipe de fiscalização do CRO-PE articulou o flagrante, ocorrido à tarde, em conjunto com a Polícia Civil. Depois da constatação da autuação ilegal da graduanda, a suspeita, testemunhas e uma equipe do órgão seguiram para a Delegacia de Santo Amaro.

Aos policiais, a estudante alegou que cursava o décimo período da faculdade e que estava atuando em um estágio supervisionado. De acordo com o delegado Breno Varejão, que registrou o caso, nenhum profissional acompanhava a estudante no momento do flagrante. “Ela estava sozinha e tinha acabado de atender uma paciente. Naquele momento, não existia a presença dessa pessoa fazendo a supervisão e informação de testemunhas é de que ele não comparecia lá sempre”.

Varejão contou que outro elemento da ocorrência aumentou o cenário de contradições da autuada: “Na bata dela, que foi apreendida, tem o nome dela e estava escrito ‘cirurgiã dentista'”, contou o investigador. Segundo o delegado, ela não apresentou o termo de estágio vinculado à faculdade.

Vitor Souto Maior, chefe de fiscalização do CRO-PE, afirmou que a alegação de estágio não foi comprovada pela estudante: “O estágio de odontologia necessita ser realizado sob supervisão de um profissional formado e tem que ter a chancela da instituição de ensino. O termo tem que ter a assinatura das três partes”. A estudante preencheu um termo circunstanciado de ocorrência e foi liberada.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: