O portal do Sistema Opinião

POP9

Investigação

pe

Antes de reconstituição, mãe e filho prestam novo depoimento

Após serem ouvidos, acusados serão conduzidos ao condomínio de luxo onde o corpo do médico Denirson Paes foi encontrado

setembro 14, 2018 às 10:09 - Por: Redação OP9

A farmacêutica Jussara Rodrigues, 54 anos, e Danilo Rodrigues Paes, 23, mãe e filho acusados de matar o médico Denirson Paes da Silva, 54, chegaram, na manhã desta sexta-feira (14), na Delegacia de Camaragibe para iniciar o procedimento de reprodução simulada do crime. Inicialmente, mãe e filho vão prestar depoimento a um grupo de peritos criminais e à delegada Euricélia Nogueira, que foi pessoalmente buscar Jussara na Colônia Penal Feminina do Recife, no Engenho do Meio.

Na chegada à delegacia, Jussara se manteve em silêncio. Foto: André Duarte/OP9

Na chegada à delegacia, Jussara se manteve em silêncio. Foto: André Duarte/OP9

Na chegada à delegacia, a acusada se manteve em silêncio, enquanto Danilo fez um rápido desabafo à imprensa. “Deixe-me em paz. Deixa minha vida em paz, por favor”. O advogado de defesa de Jussara e Danilo, Alexandre Oliveira, já está na delegacia para acompanhar os depoimentos e a reconstituição.

Após serem ouvidos, mãe e filho serão conduzidos ao condomínio de luxo onde o corpo do médico foi encontrado, em Aldeia, Camaragibe. Os acusados, que estão presos, vão participar da reprodução do crime com base na nova versão apresentada por Jussara. Ela negava participação no crime, mas voltou atrás e admitiu ter cometido o homicídio sozinha após uma discussão com o marido. A Polícia Civil, no entanto, pretende apurar possíveis contradições de Jussara, especialmente se ela tinha capacidade física de esganar e esquartejar o corpo do médico sem a ajuda do filho mais velho.

Leia também:
Polícia fará reconstituição da morte de Denirson nesta sexta-feira
Esposa de Denirson cortou e ateou fogo no órgão genital do médico
Esposa diz ter estrangulado e ocultado corpo de médico sozinha
Confissão de esposa sobre morte de Denirson pode livrar filho
Polícia indicia esposa e filho por morte de médico em Aldeia
STJ nega liberdade a suspeitos de assassinar cardiologista em Aldeia
Médico é encontrado morto em condomínio de luxo em Aldeia
Esposa e filho de médico são autuados por ocultação de cadáver
Pai de médico morto em Aldeia fala sobre filho, família e crime
Mãe do médico assassinado fala pela primeira vez após morte do filho

Uma equipe de nove peritos do Instituto de Criminalística (IC) está participando da reprodução. O grupo terá até 30 dias para concluir as novas perícias e enviar o resultado à Polícia Civil, que irá anexar o material ao inquérito. A investigação da Delegacia de Camaragibe concluiu inicialmente que mãe e filho cometeram o homicídio. A Polícia Civil acredita que o crime – a morte e o esquartejamento do corpo – tenha acontecido no dia 31 de maio.

Relembre o caso

O corpo de Denirson foi localizado durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão solicitado pela delegada Carmem Lúcia de Oliveira, que apura o caso. O cadáver foi encontrado aos pedaços e foi jogado em um poço de 25 metros de profundidade na residência da família. No local, também foi jogada uma grande quantidade de areia, metralha e cloro, o que foi feito, segundo a polícia, com a intenção de dificultar a localização do corpo e disfarçar o mau cheiro.

Denirson Paes era cardiologista e trabalhou em grandes unidades de saúde do Recife, como os hospitais Getúlio Vargas, das Clínicas, do Exército e o Procape, referência em doenças do coração no estado. Além de formado em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), ele também se graduou em direito por uma universidade particular. Tanto o médico quanto a esposa nasceram na cidade de Campo Alegre de Lourdes, no interior da Bahia.

Pouco antes de ser morto, Denirson havia, segundo o pai do médico, anunciado que queria se separar de Jussara. O casal tinha viagem marcada para os Estados Unidos em junho e, no dia 30 de maio, o médico cancelou o passeio. No mesmo dia, telefonou para o consultório particular onde atendia e avisou que manteria os atendimentos marcados para o período de folga. Essa foi a última vez que o cardiologista manteve contato com alguém. No dia seguinte, ele desapareceu.

Ao prestar depoimento, os funcionários da residência adiantaram que foram dispensados do trabalho nos dias 30 e 31 de maio. A empregada doméstica só retornou à casa no dia 1º e o caseiro no dia 4 de junho. Eles relataram que Jussara solicitou que limpassem várias vezes a residência, principalmente a área próxima à cacimba. No dia 12, o dia em que o casal deveria retornar de viagem, o caseiro estranhou o forte odor que saía do reservatório. Então, a farmacêutica pediu para que ele cimentasse a tampa do poço, pois teria jogado um gato morto no local.

Somente no dia 20 de junho, Jussara Paes registrou queixa sobre o desaparecimento do marido na Delegacia de Camaragibe. Durante o período, amigos, clínicas e laboratórios para os quais o médico prestava serviço utilizaram as redes sociais para buscar informações sobre o paradeiro de Denirson Paes.

No boletim de ocorrência, a esposa da vítima chegou a dizer que ele poderia ter viajado para os Estados Unidos sem ela e, em seguida, partido para a Rússia para ver os jogos da Copa do Mundo. Ainda no depoimento, ela confirmou que o marido foi visto pela última vez no dia 31 de maio. Na verificação feita pala polícia nas imagens do circuito interno do condomínio, foi verificado que o médico não saiu do local.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: