O portal do Sistema Opinião

POP9

Suzano

br

Polícia pede apreensão de terceiro suspeito de participar de ataque

Adolescente de 17 anos também é ex-aluno da escola e estudou com Guilherme Taucci Monteiro, jovem da mesma idade que, segundo a polícia, liderou o ataque

Março 14, 2019 às 18:10 - Por: Agência Estado

Massacre em Suzano. Imagem: Reprodução

Massacre em Suzano. Imagem: Reprodução

A Polícia Civil pediu à Justiça nesta quinta-feira (14), a apreensão de um adolescente suspeito de ser o terceiro envolvido no ataque à Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, que deixou 10 mortos e 11 feridos nesta quarta (13). O adolescente de 17 anos também é ex-aluno da escola e estudou com Guilherme Taucci Monteiro, jovem da mesma idade que, segundo a polícia, liderou o ataque. A participação do novo suspeito teria ocorrido na fase de preparação.

Leia também:
Velório coletivo em Suzano já recebeu mais de 5 mil pessoas
Corpos das vítimas do massacre em escola de Suzano são velados
Sobe para 11 o número de feridos em escola. Dez pessoas morreram
Atiradores usaram revólver e arma medieval em atentado em Suzano
Caso de Suzano não mudará atuação da Bancada da Bala, diz líder
No Twitter, Bolsonaro lamenta massacre em escola de Suzano
Dois atiradores invadem escola, matam oito e cometem suicídio
“Achei que fosse bombinha”, diz aluna que escapou de massacre

A polícia não revelou quais provas ligam o menor ao ataque, mas já colheu depoimento dele na delegacia e espera posicionamento da Justiça. De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes, o crime estava sendo planejado ao menos desde novembro e as conversas entre os comparsas ocorriam principalmente de forma presencial, já que moravam perto um do outro.

A Polícia ainda realiza perícia nos equipamentos apreendidos para apurar a suspeita de que fóruns da deep web incitaram a tragédia. “Eles não se sentiam reconhecidos na comunidade que faziam parte e queriam agir como em Columbine, com crueldade. Este era o principal objetivo: a repercussão”, disse Fontes. O delegado detalhou que a besta, o arco e flecha, o machado e as roupas táticas foram adquiridos pelo site Mercado Livre, plataforma que permite vendas diretas entre comerciantes e consumidores.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: