O portal do Sistema Opinião

POP9

Investigação

rn

Robinson Faria vira réu em processo que apura desvios na ALRN

Denúncia foi aceita pelo juiz da 6ª Vara de Fazenda Pública, que alegou a “imposição da supremacia do interesse público” em apurar se houve realmente dano ao erário

Maio 22, 2019 às 18:41 - Por: Everton Dantas

Ex-governador Robinson Faria virou réu em ação que apura improbidade administrativa. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Ex-governador Robinson Faria virou réu em ação que apura improbidade administrativa. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O ex-governador Robinson Faria tornou-se réu num processo que apura desvios de R$ 5,1 milhões da Assembleia Legislativa. A decisão de aceitar a denúncia do Ministério Público foi do juiz Francisco Seráphico da Nóbrega Coutinho, da 6ª Vara de Fazenda Pública.

Ele disse na decisão que o recebimento da denúncia não implica “qualquer juízo sobre o ato de improbidade”. Mas que o caso precisa ser apurado por questão de interesse público, para dirimir todas as dúvidas sobre se houve ou não o desvio.

Leia também:
Principal envolvida em desvios na ALRN deve receber aumento salarial
Ex-deputado e pastor têm parte dos bens bloqueada pela Justiça
Envolvidos em desvios na ALRN têm R$ 9,8 milhões bloqueados
Dama de Espadas: delatores revelam esquema de pagamento
Delatora envolve TJRN, TCE-RN, Governo e políticos em escândalo

A defesa do ex-governador, no processo, negou as acusações feitas pelo MPRN e afirma que “a imputação é fantasiosa e aponta supostas inverdades e equívocos” cometidos pela investigação.

O juiz determinou que o ex-governador fosse citado para, se desejar, apresentar contestação no prazo de 15 dias. Em janeiro deste ano, neste mesmo processo, o MP conseguiu o bloqueio de bens de Robinson Faria no valor de R$ 6.379.571,08.

Confira a íntegra da Decisão  sobre Robinson Faria

Esse montante foi calculado com base nas investigações sobre o que teria sido desviado entre janeiro de 2005 e abril de 2017, quando o ex-governador ocupou a presidência da AL e foi ainda vice-governador e governador.

Esse processo deriva da chamada operação “Dama de Espadas”, investigação sobre desvios milionários dentro da Assembleia Legislativa. A pivô dessa investigação, Rita das Mercês Reinaldo, firmou delação premiada com o Ministério Público.

De acordo com a denúncia, a procuradora aposentada disse que após deixar a presidência da Assembleia, Robinson Faria ainda teria chegado a acertar o recebimento de R$ 180 mil por mês. Esse acerto, segundo a denúncia, teria sido feito com o também ex-presidente da Casa, Ricardo Motta.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: