O portal do Sistema Opinião

POP9

Suspeita

rn

MPF investiga contrato de R$ 50 mi em Fundação ligada à UFRN

Investigação foi confirmada após a informação sobre o valor do contrato ganhar repercussão e a Fundação Norte-rio-grandense de Pesquisa (Funpec) não se posicionar sobre o assunto

Maio 29, 2019 às 18:44 - Por: Everton Dantas

Fundação de Pesquisa da UFRN deve se pronunciar sobre o contrato de R4 50 milhões nesta quinta-feira. Foto: Funpec/Divulgação

Fundação de Pesquisa da UFRN deve emitir nota sobre o contrato de R$ 50 milhões nesta quinta-feira. Foto: Funpec/Divulgação

Um contrato de R$ 50 milhões referente a campanha nacional de combate à sífilis está sendo investigado pelo Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte. (MPF). Esse contrato foi executado pela Fundação Norte-rio-grandense de Pesquisa (Funpec).

A Funpec informou que vai se pronunciar sobre o assunto na quinta-feira (30), por meio de nota. E que apresentará todas as informações e esclarecimentos necessários, da mesma maneira como fez ao MPF.

Leia também:
Ministro da Educação empossa novo reitor da UFRN em Brasília
Pesquisa da UFRN é única do NO-NE a receber R$ 1 milhão de instituto
UFRN tem 30% das verbas bloqueadas pelo MEC

A informação sobre a investigação foi divulgada na quarta-feira (29) pelo próprio MPF após pedidos de informação sobre o assunto. De acordo com a nota, a decisão de emitir a nota se deu por conta da grande repercussão que o assunto gerou nos últimos dias.

A investigação apura a contratação da “empresa Fields Comunicação Ltda, na data de 10/9/2018, pelo valor de R$ 50 milhões”, informa a nota. O MPF esclareceu ainda que “foram solicitados documentos à Funpec acerca dessa contratação, que prontamente os enviou”.

E que esses documentos estão sob análise, com auxílio da Controladoria-geral da UNião (CGU). O Ministério Público informou também que não falará mais sobre o assunto, até o final da apuração. A Fields Comunicação, que atualmente chama-se Fields 360, já foi citada em suposto esquema operado pelo publicitário Marcos Valério, um dos nomes do “Mensalão”.

Site "Sífilis não" concentra todo o material produzido previsto no contrato. Foto: Reprodução.

Site “Sífilis não” concentra todo o material produzido previsto no contrato. Foto: Reprodução.

Contrato diz respeito a campanha nacional de mídia e pesquisa

O contrato investigado diz respeito à campanha ““Sífilis Não”, que é parte de uma ação do Ministério da Saúde em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

O objetivo da campanha foi chamar a atenção para a testagem e o tratamento da doença, além de desenvolvimento científico, seleção de apoiadores de campo e pesquisa no país inteiro, o que soma R$ 200 milhões no total.

Cerca de cem municípios seriam alcançados pela campanha publicitária, entre capitais e aqueles mais sensíveis à doença, segundo os dados disponíveis sobre sífilis no país.

Além dos banners, a campanha publicitária também reúne vídeos e uma web-série em que dúvidas sobre a doença são respondidas. O site oficial da campanha é www.sifilisnao.com.br

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: