O portal do Sistema Opinião

POP9

Canastra Real

rn

Ex-assessora da presidência da ALRN tem prisão decretada

Decisão é da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça e atende a pedido de promotores para evitar que a investigada atrapalhe a apuração de desvios de R$ 2 milhões

Maio 21, 2019 às 11:41 - Por: Com informações do TJRN

Ana Augusta Simas foi exonerada da ALRN em setembro de 2018. Foto: Arquivo Pessoal/Facebook

Ana Augusta Simas foi exonerada da ALRN em setembro de 2018. Foto: Arquivo Pessoal/Facebook

A Justiça decretou nesta terça-feira (21) a prisão preventiva da ex-chefe do gabinete da Presidência da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, Ana Augusta Simas Aranha Teixeira de Carvalho. Ela é a pivô de uma investigação do Ministério Público do RN que gerou a operação “Canastra Real”, deflagrada dia 17 de setembro de 2016.

De acordo com as investigações, esse esquema teria desviado R$ 2,4 milhões da ALRN. A decisão atendeu pedido dos promotores para evitar que ela interfira na investigação. Segundo a investigações, Ana Augusta Simas indicava pessoas para cargos dentro da Assembleia.

E, no ato da admissão, informava seu endereço residencial para constar nos cadastros bancários dos servidores, que eram “fantasmas”. Cinco dos presos na operação “Canastra Real” são ex-assessores técnicos da presidência e recebiam altos salários mesmo sem ter nível superior.

Leia também:
Nove pessoas viram réus por desvios de R$ 2,4 milhões na ALRN
Funcionária da ALRN teria falsificado assinaturas em recibos, diz MP
MPRN investiga desvio de R$ 2,4 milhões na Assembleia Legislativa
Suspeitos por desvio de R$ 2,4 milhões na ALRN ficam na prisão
ALRN exonera chefe de gabinete da presidência suspeita de fraude

A prisão preventiva foi decidida pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. De acordo com o desembargador Glauber Rêgo – cujo voto foi seguido e aprovado – mesmo sabendo que estava sendo investigada, Ana Augusta Simas teria continuado a praticar o suposto crime.

“Os robustos indícios demonstram a ausência de temor (por parte da acusada) com o prosseguimento da empreitada criminosa, bem ainda o descaso para com as legítimas instituições constituídas, mesmo em detendo conhecimento da apuração dos fatos investigativos”, disse o desembargador.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: