O portal do Sistema Opinião

POP9

No Recife

pe

Projeto de climatização em ônibus muda e dá prazo até 2023 para empresas

Alteração foi aprovada pela Comissão de Legislação e Justiça da Câmara de Vereadores do Recife nesta terça-feira (14), mas terá que passar por outras duas comissões

Maio 14, 2019 às 17:52 - Por:

Mudanças no projeto de climatização em ônibus do Recife passaram por outras duas comissões da Câmara de Vereadores. Foto: Anderson Barros/Câmara do Recife

Mudanças no projeto de climatização em ônibus do Recife passaram por outras duas comissões da Câmara de Vereadores. Foto: Anderson Barros/Câmara do Recife

A comissão de Legislação e Justiça da Câmara do Recife aprovou nesta terça-feira (14) uma alteração no projeto que obriga a instalação de ar-condicionado dentro dos ônibus que circulam no Recife. Agora, as empresas de ônibus terão que instalar os equipamentos progressivamente até 2023 e não mais em seis meses como previa a proposta inicial do vereador Alcides Teixeira Neto (PRTB).

Antes de ser votado pelos vereadores em plenário, no entanto, o projeto precisa passar pelas comissões de Finanças e Orçamento; e de Acessibilidade e Mobilidade Urbano. Mas, na prática, dá um respiro aos empresários. E, embora no momento não se fale na questão, dá até tempo para que os custos possam ser diluídos nas tarifas.

Leia também:
Vereadores querem mudar projeto de climatização em ônibus
Câmara discute projeto que obriga ar-condicionado nos ônibus no Recife

O substitutivo que alterou o prazo foi apresentado pelo vereador Samuel Salazar (PRTB) na segunda-feira (13) e contou com a assinatura de 21 colegas de Casa. O novo texto prevê que a cada ano, a partir de outubro de 2019, as empresas de ônibus que tenham linhas originárias no Recife, terão que substituir 25% dos coletivos não equipados com ar-condicionado.

Inicialmente cogitou-se ampliar o prazo para sete anos, mas os 12 legisladores integrantes da comissão chegaram ao consenso de que a implantação pode ser feita em até quatro anos. Para o vereador Alcides Teixeira Neto, no entanto, era possível que a instalação fosse feita em seis meses. “Esse substitutivo foi feito na cozinha das empresas”, acusou.

A reunião desta terça também atestou a legalidade do projeto, permitindo que o Recife legisle sobre a questão do ônibus. As duas próximas comissões vão analisar o impacto financeiro e o serviço prestado pelos ônibus à população.

Rebeca Silva

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: