O portal do Sistema Opinião

POP9

Crítica

pe

“É um roubo”, diz Bolsonaro sobre taxa de acesso a Fernando de Noronha

Para o presidente da República, a cobrança seria umas das explicações para quase não existir turismo no Brasil, na opinião do presidente

julho 14, 2019 às 15:50 - Por:

O presidente Jair Bolsonaro prometeu rever a taxa cobrada para entrar no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro prometeu rever a taxa cobrada para entrar no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que a taxa para entrar no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, a 545 quilômetros do Recife, era um roubo. Segundo ele, a cobrança de R$ 106 para brasileiros e de R$ 212 para turistas estrangeiros seria umas das explicações para quase não existir turismo no Brasil, na opinião do presidente.

Bolsonaro, que comentou sobre a questão em postagem no Facebook, prometeu ainda rever os valores cobrados a partir de uma portaria instituída em 2010 pelo Ministério do Meio Ambiente. No parque estão algumas das praias mais conhecidas de Noronha, como a Praia do Leão, Praia da Atalaia, Praia do Sueste, Praia do Sancho e Baía dos Porcos.

Para ter acesso ao arquipélago, também paga-se uma taxa de preservação, cuja quantia varia de acordo com o tempo de permanência. Um dia, por exemplo, custa R$ 73,52. Quem quiser passar 10 dias terá que pagar R$ 626,37.

Com 21 ilhas paradisíacas, Fernando de Noronha é um dos destinos mais procurados do país. No ano passado, o local recebeu 103 mil visitantes, 9,3 mil a mais que no ano anterior.

O aumento de turistas, no entanto, preocupa ambientalistas por causa do impacto sobre o meio ambiente e as taxas também seriam uma forma de restringir o acesso dos turistas. Apenas 50% de Noronha tem saneamento e coleta de esgoto. Estudos mostram que Noronha deveria receber em média até 89 mil visitantes por ano.

Rebeca Silva

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: