O portal do Sistema Opinião

POP9

EXPLICAÇÕES

pe

Câmara Federal vai ouvir corregedora da SDS sobre auditoria na Decasp

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou nesta terça um requerimento para esclarecer auditorias que embasaram o processo administrativo contra a delegada Patrícia Domingos

agosto 13, 2019 às 19:36 - Por:

Requerimento para convidar corregedora da SDS foi do deputado Fernando Rodolfo. Foto: Reila Maria/Câmara dos Deputados

Requerimento para convidar corregedora da SDS foi do deputado Fernando Rodolfo. Foto: Reila Maria/Câmara dos Deputados

A corregedora geral da Secretaria de Defesa Social (SDS), Carla Patrícia da Cunha, será convidada pela Câmara Federal, em Brasília, a explicar as auditorias realizadas na Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos (Decasp) que embasaram a abertura de um processo administrativo contra a delegada Patrícia Domingos. Ela era titular da unidade, extinta em novembro do ano passado.

O convite à gestora foi aprovado nesta terça-feira (13) pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, após um requerimento do deputado federal Fernando Rodolfo. O parlamentar quer entender o relatório do Ministério Público de Pernambuco sobre supostas irregularidades cometidas pela delegada. Ele também quer saber que medidas serão adotadas após as conclusões do documento.

Leia também:
Delegada da antiga DCASP diz que não foi notificada sobre processo
Delegada da extinta Decasp não descarta disputar eleições no futuro
TJPE determina que delegacia anticorrupção continue a funcionar
Aprovada extinção de delegacia temida por empresários e políticos

“Há auditorias que vêm desde 1980, quando Patrícia Domingos sequer era delegada”, afirmou Rodolfo. Para ele, a instauração do processo contra a delegada pode configurar perseguição por ela ter descoberto irregularidades em licitações e indiciado políticos, policiais militares, empresários e funcionários públicos.

Ao saber pela imprensa do processo administrativo, a delegada disse, à época, ter sido pega de surpresa. Ela alegou não ter sido notificada na abertura da sindicância, nem na instauração do PADE e informou que iria entrar com uma representação para identificar quem vazou informações sobre o processo.

Rebeca Silva

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: