O portal do Sistema Opinião

POP9

Polêmica

br

Ao comentar falas de Bolsonaro, Ministro do STF sugere mordaça para presidente

Marco Aurélio Mello se referiu à declaração do capitão da reserva sobre o pai do presidente da OAB desaparecido durante o regime militar

julho 30, 2019 às 12:23 - Por:

Declaração do ministro Marco Aurélio Mello foi dada ao jornalista Tales Faria. Foto: Nelson Jr/STF

Declaração do ministro Marco Aurélio Mello foi dada ao jornalista Tales Faria. Foto: Nelson Jr/STF

Depois da polêmica declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), sobre o pai do presidente da OAB desaparecido durante o regime militar, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, afirmou nesta terça-feira (30), ao jornalista Tales Faria, do Uol, que apenas um aparelho de mordaça poderia acabar com as falas de Bolsonaro.

Em pouco tempo, a hashtag com o nome do ministro entrou entre os assuntos mais comentados do Twitter. Na segunda-feira (29), Bolsonaro, que já homenageou o torturador coronel Brilhante Ustra, disse que contaria a Felipe Santa Cruz como o pai dele desapareceu. “Um dia se o presidente da OAB [Felipe Santa Cruz] quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto para ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Eu conto para ele”, disse Bolsonaro ao criticar a gestão de Santa Cruz a frente da OAB.

Leia também:
“É de se estranhar tal comportamento em um cristão”, diz presidente da OAB sobre Bolsonaro
Em crítica, Bolsonaro cita pai de presidente da OAB desaparecido durante a ditadura

Após repercussão, o presidente fez uma live no Facebook enquanto cortava o cabelo. No vídeo, o presidente sugere que grupos de esquerda teriam assassinado Fernando Santa Cruz em uma espécie de “justiçamento”, prática em que supostos traidores são executados. “Não foram os militares que mataram ele não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo o que aconteceu”.

Segundo Bolsonaro, militantes de esquerda do Rio de Janeiro teriam “sumido” com o pai de Felipe Santa Cruz. “O pai do (Felipe) Santa Cruz integrava o grupo terrorista mais sanguinário que tinha, que era a Ação Popular de Recife. Esse pessoal tinha muitas ramificações no Brasil, tinha uma grande no Rio de Janeiro. Ele foi para lá e o pessoal ficou estupefato, achavam que o contato deveria ser feito através da cúpula. Então resolveram sumir com ele porque achavam que poderiam ser descobertos”, declarou na live.

Rebeca Silva

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: