O portal do Sistema Opinião

POP9

Bronca

pe

Preparador revela situação de demitidos do Santa Cruz e diretoria responde

Jaílton Cintra afirmou que acordo sugerido foi de recebimento de apenas 50% dos valores devidos

outubro 10, 2018 às 14:00

O Santa Cruz tem passado por uma reformulação em seu departamento de futebol. Na últimas semanas, profissionais de longa data do clube foram desligados, como o fisiologista Jaílton Cintra e o supervisor Marcelo Adelino. Antes, outros profissionais como Clovis Calado, Adriano Teixeira e Guilherme Ferreira, também haviam sido demitidos.

Nesses casos, o Santa Cruz tem chamado os ex-funcionários para a realização de acordos financeiros, como forma de evitar a ida deles para a justiça. Só que esses acordos, na maioria dos casos, não tem sido bem aceitos pelos profissionais.

No caso de Jaílton Cintra, por exemplo, profissional com onze anos de Santa Cruz, o acordo sugerido pelo clube foi de pagar apenas 50% do que ele tinha direito. “Fui pego de surpresa. Me chamaram e só me comunicaram que eu não fazia mais parte do clube. Me chamaram para um acordo, que era pra eu receber só 50% do que eu tinha direito e ainda dividido em 60 meses. Qual a credibilidade que o Santa Cruz tem, pra que acreditar que esse dinheiro seria pago nessas prestações? Não seria. Então eu não aceitei, assim como outros não aceitaram”, disse.

Jailton Cintra deverá buscar direitos na justiça. Foto: Antonio Melcop

De acordo com o fisiologista, outros demitidos irão procurar seus direitos na justiça. “Não tem outro caminho. Quem não aceita, tem que entrar com a ação, mesmo. Vários que saíram estão na mesma situação que eu. O clube diz que a gente só vai ver esse dinheiro na justiça daqui a 15, 20 anos… mas é o jeito. Por que esse acordo que prometeram, não seria cumprido, tenho certeza”, desabafou, em entrevista à Rádio Transamérica.

RESPOSTA

A diretoria do Santa Cruz se posicionou sobre o caso, através do diretor de futebol Jomar Rocha, que contou: “Jailton é um profissional extremamente capacitado, que não deve para nenhum outro preparador físico do país. Sempre o valorizamos e brigamos para que fosse o número um do clube. Inclusive, com Roberto Fernandes, ele iria ser o preparador principal, mas por estar envolvido em outros trabalhos, houve choque de horários, e o Flávio Trevisan acabou ficando como o principal. Mas sempre quisemos dar o melhor a ele. Sobre o acordo, foi oferecido o que o Santa Cruz pode honrar. Nada além disso. Ele tem todo o direito de buscar as soluções que desejar”, disse Jomar.

Rafael Cabral

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: