O portal do Sistema Opinião

POP9

Maceió

al

Inspeção constata superlotação em presídio após fuga de 12 detentos

Para o Conseg, Presídio de Segurança Máxima em Maceió precisa de reforço no número de agentes penitenciários

Fevereiro 11, 2019 às 19:03 - Por: Redação OP9

Inspeção acontece após a fuga de 12 detentos no dia 6 de fevereiro deste ano. Foto: Ascom Seris

Inspeção acontece após a fuga de 12 detentos no dia 6 de fevereiro deste ano. Foto: Ascom Seris

O Presídio de Segurança Máxima em Maceió, de onde 12 presos fugiram no último dia 6 de fevereiro, está superlotado. Durante uma inspeção dos integrantes do Conselho Estadual de Segurança Pública (Conseg) e do Conselho Penitenciário de Alagoas, realizada nesta segunda-feira (11), foi constatado que existem 937 detentos no local, quando a capacidade é para 700 presos.

Leia também:
Polícia recaptura 11 dos 12 reeducandos que fugiram da penitenciária

A equipe que realizou a inspeção destacou ainda a necessidade de adequações, principalmente no que diz respeito ao reforço no aumento do número de agentes penitenciários atuando no local.

A inspeção aconteceu principalmente para que as circunstâncias da fuga fossem identificadas. “O conselho de segurança e o conselho penitenciário sempre agem em conjunto fazendo inspeções regulares. Hoje, em especial, é em decorrência da fuga da semana passada, e estamos aqui para identificar em que circunstância se empreendeu a fuga”, disse o presidente do Conseg, Antônio Carlos Correia.

Dos 12 presos, 11 foram recapturados no mesmo dia. “O estado respondeu à altura quando fez a captura dos apenados, mas houve, sim, uma falha. Estamos aqui para identificar as circunstâncias e elaborar um relatório que, no máximo em dez dias, estará pronto com evidências, constatações e providências a serem tomadas”, completou.

Para o chefe especial de Gestão Penitenciária, tenente-coronel Gustavo Maia, a atuação dos servidores penitenciários durante o ocorrido foi decisiva para o resultado da recaptura. “Só temos como dimensionar o que gerou essa fuga após apuração. Mas é preciso destacar a atuação dos servidores de plantão, que de imediato agiram, culminando na recaptura de quase todos os foragidos na mesma manhã”, opinou.

Antônio Carlos Correia explicou que agora o órgão tem o prazo de dez dias para preparar o relatório. Ele disse que existe ainda a necessidade de uma triagem melhor de presos e um esforço maior para se construir um ambiente de ressocialização.

“Agora o relatório será entregue ao secretário de Ressocialização, Marcos Sérgio, ao Ministério Público do Estado e ao governador de Alagoas, Renan Filho, para que as providências sejam tomadas”, afirmou.

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: