O portal do Sistema Opinião

POP9

Mata do Rolo

al

Cabeça é encontrada fincada em cerca na zona rural de Rio Largo

Parente afirma que corpo é de uma adolescente que acabou de completar 18 anos

Janeiro 29, 2019 às 12:55 - Por:

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Atualizada às 14h42

Uma cena assustadora e que expõe a briga entre facções existente em Rio Largo, município da Região Metropolitana de Maceió. Uma cabeça foi encontrada na manhã desta terça-feira (29), fincada em uma cerca de madeira, próximo a uma fábrica, no bairro Mata do Rolo.

Leia também:
Jovem é encontrada decapitada em matagal de Rio Largo
Jovem decapitada teria sido morta por trocar informações entre facções

Segundo a Polícia Militar, a cabeça pode ter sido fixada entre a noite de segunda-feira (28) e a manhã desta terça. Imagens enviadas ao OP9 mostram a crueldade com que o crime foi praticado. O rosto está completamente desfigurado. Horas depois o corpo de uma mulher foi encontrado em um barranco, de onde foi jogado. Uma parente afirma que se trata de Milca, uma adolescente que acabou de completar 18 anos.

O delegado da cidade, Lucimério Campos, acredita que a morte tenha acontecido em decorrência de brigas entre facções que atuam na cidade. “É o modus operandi. Tivemos um caso igual no ano passado”, afirma. A Polícia Militar e policiais da Delegacia de Homicídio de Rio Largo foram ao local para realizar os primeiros levantamentos do homicídio. Peritos do Instituto de Criminalística (IC) e agentes do Instituto Médico Legal (IML) foram ao local para realizar a perícia e recolher o corpo.

A situação semelhante registrada em 2018 a qual o delegado se refere é a morte de Stefane Cristina dos Santos, de 18 anos, encontrada morta e decapitada em uma grota próximo ao Conjunto Teotônio Vilela, também na Mata do Rolo, em Rio Largo. A morte aconteceu no dia 22 de junho e, naquele mês, a delegacia chegou a afirmar que ela vinha sofrendo ameaças de traficantes da região, já que tinha envolvimento com drogas.

O delegado Francisco Medson, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) informou ao OP9 que a Polícia Civil já tem uma linha de investigação, mas não pode divulgar para não atrapalhar o andamento das diligências.

Mariane Rodrigues

Comentários

OP9

Receba nossa newletter

Com que frequência deseja receber o informativo: